A trajetória do PCB e a presença do comunismo no Brasil

PCB Foz 19 de setembro de 2012 Comentários
A trajetória do PCB e a presença do comunismo no Brasil

Rodrigo Giordano

A atuação do Partido Comunista Brasileiro (PCB) até o início dos anos 1960 foi o centro do debate “O comunismo na história do Brasil”, que integra o Simpósio Internacional Esquerda na América Latina: História, Presente e Perspectivas, que acontece até esta quinta-feira (13) na Universidade de São Paulo (USP). A mesa, realizada na terça-feira (11), foi formada por Milton Pinheiro, professor de Ciência Política da Universidade do Estado da Bahia, Apoena Cosenza, mestrando em História Econômica, Frederico Falcão, doutor em Serviço Social, e Marly Vianna, professora-doutora em História Social pela USP.

Apenas Marly não se prendeu ao protagonismo do PCB. Ela enfatizou que não houve qualquer situação política, econômica ou social importante na história do país em que os comunistas não desempenharam papel de vanguarda: estiveram à frente em episódios como a luta pela paz, contra o imperialismo, em defesa da democracia e a favor da conquista de direitos sociais. No entanto, a professora questionou a “incrível capacidade de se dividir” da esquerda, propondo mais discussão e menos segregação e inimizade.

Os outros três palestrantes preferiram destacar que o PCB foi hegemônico na presença do comunismo no Brasil até o fim dos anos 1950. Milton Pinheiro ressaltou que tal presença surgiu entre o fim dos anos 1910 e o começo dos anos 1920, como uma necessidade histórica dos trabalhadores de elaborar um programa político metodológico e romper com o anarcossindicalismo vigente na época. Estimulado pela Revolução de Outubro de 1917 na Rússia, o PCB nasceu com a noção de internacionalismo como característica fundamental. Segundo o professor, no eixo central que direcionou os comunistas no século 20 figuravam a questão nacional, o combate às mazelas sociais, a luta pela democracia política e o internacionalismo.

Apoena Cosenza focou sua apresentação na repressão governamental sofrida pelo PCB entre 1922 e 1935. O mestrando em História Econômica lembrou o cerco à Coluna Prestes e o estabelecimento de uma política nacional de repressão, que resultou no fechamento de sedes do partido e sindicatos durante o governo de Washington Luís e em delegacias espalhadas pelo país com a função quase exclusiva de impedir manifestações operárias, durante o governo de Getúlio Vargas, entre 1933 e 1935.

Frederico Falcão falou sobre as ações do PCB dos meados dos anos 1940 ao início dos anos 60, mesmo período de que trata seu livro Os homens do passo certo, sobre as escolhas políticas do partido antes e durante a ditadura militar. O autor destacou principalmente o processo de radicalização pelo qual o PCB passou em 1948, muito em razão do Pacto de Varsóvia. A influência de Nikita Kruschev e a busca pela revolução democrática burguesa por via pacífica, como etapa para a sociedade comunista, geraram muitas críticas ao partido, fazendo com que novas forças de esquerda surgissem a partir de 1960.

Após as apresentações, as questões dirigidas aos palestrantes giraram em torno da questão do “etapismo” como estratégia política do PCB e das perspectivas para o comunismo nos dias atuais.

Artigo publicado originalmente no site CARTA MAIOR.